Meus livros!

25 abril 2016

A Bienal e a Literatura Nacional


Eu falei da invisibilidade do novo autor na Bienal de Minas há alguns dias. Não consegui aceitar os autores quase na saída da Expominas e o movimento todo concentrado nas grandes livrarias.
Talvez eu ainda questione nossa posição por ser minha primeira participação num estande como autora independente. Alguns que já participaram de outras edições já aceitaram o fato de que não adianta reclamar, pois não traz resultados. Então, vamos continuar sem sinalização na feira e o leitor vai passar por nós e perguntar: “Ei, o que são esses nomes nos estandes?” E dá-lhe explicação...
Ok! Eu amo livros e sempre gostei de livrarias. Mas livrarias estão em toda parte. O mesmo não acontece com os autores que conheci na Bienal. Pessoas cheias de histórias para contar, determinados em publicar e apresentar seus trabalhos. Em sua maioria eles são movidos pela paixão. E dali não sai nenhum lucro, acreditem.
Lamentável não é só a falta de uma publicidade sobre nossa presença na Feira de Livros. Mais triste é ver que os leitores andam, em sua maioria, completamente desinteressados de conhecer os novos nacionais.
Alisson Souza de Sá, vindo de Maceió para auxiliar uma das escritoras independentes, diga-se de passagem, muito simpática e talentosa, estava perplexo com o comportamento desinteressado de grande parte do público e assim me transcreveu sua experiência:
Uma garota de 16 anos, após ser abordada sobre o seu gosto por Literatura Nacional, refletiu: “Literatura Nacional é uma bosta, não há criatividade”.
Ele, chocado, respondeu: Todos aqui nesta área são autores independentes com histórias emocionantes e nacionais.
E ela: “Nenhum presta!”
E Ele: “Como você sabe se não parou para ler?”
Ela: “Não perco o meu tempo.”
Ele sugeriu que ela tentasse e degustasse um livro e depois emitisse sua opinião.
Infelizmente, a verdade é que muitas pessoas pensam como ela. O problema é que a leitura não é um hábito dos brasileiros como um todo. Então a crítica nasce de um profundo preconceito e um completo desconhecimento acerca do que se fala. Porque há novos nacionais apaixonantes.  E mais uma vez lamento que nossa sociedade não valorize a literatura emergente e a cultura local.






4 comentários:

  1. Eu estive na Bienal e infelizmente não fui ao seu estande. Como você disse, estava mesmo na saída e eu fiquei pouco tempo no espaço. Sabe Bruna, eu fico profundamente triste quando ouço isto. Já vi muita leitora dizer que as autoras nacionais são péssimas, que só copiam as estrangeiras. Vivemos em um País marcado por uma colonização trágica, onde a tendência a valorizar o de fora é comum. Acredito na nossa escrita, no amor, nas nossas raízes e ainda acho que somente por meio da união legítima e verdadeira poderíamos mudar este cenário. Conte comigo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Sim, Valentina, é o que eu acho. precisamos nos unir. Sempre disse que novos autores leem e divulgam novos autores. É muito preconceito. As pessoas são resistentes ao novo. E para as empresas envolvidas neste tipo de evento o que conta é só o lucro.

    ResponderExcluir
  3. Eu fiquei muito triste de perceber na Bienal que, mesmo com muito espaço disponível, dedicaram pouco dele aos autores nacionais. Sejamos francos, tinha lugar lá perto dos autores que estava vazio, mas ainda assim deixaram vocês em espaços minúsculos e pouco chamativos. As pessoas era muito mais atraídas pelas placas gigantescas e atrações das grandes editoras, e perdiam a oportunidade de ouro de bater um papo com nossos talentos por puro preconceito. Andei muito pelos estandes de autores nacionais e, mesmo não tendo condições de comprar tudo que me interessou, foi uma experiência muito mais enriquecedora.

    ResponderExcluir
  4. Isso é porque você é uma leitora e aí existe todo um diferencial, um olhar mais sensível e questionador. Infelizmente, precisamos urgentemente de mais consciência literária e mais leitores no Brasil.

    ResponderExcluir

Comente aqui, vou adorar trocar opinião!